O mês de julho está sendo muito especial – e olha que ele ainda nem terminou.

Na perspectiva pessoal, pude usufruir do meu período de férias, como há muito não fazia, podendo celebrar meu 53º aniversário, 33º aniversário de casamento e o primeiro casamento de uma sobrinha. Foi um tempo muito bom, de fato, muito especial. Compartilho isto com os irmãos, para testemunhar que a graça do Senhor tem sido mais que abundante e tem abençoado grandemente nossa casa, bem como, agradecer por aqueles que oram por nós.

Em relação à igreja, julho também está sendo um mês especial.

Apesar de todas as lutas e dificuldades, tivemos a realização de mais uma Escola Bíblica de Férias, com mais de 80 crianças alcançadas. Que bom poder ver nossa igreja cheia de crianças – elas não são o futuro da igreja, elas são a igreja hoje. Precisamos ter consciência da importância do ensino das Escrituras a elas.

Por fim, tivemos a presença do Grupo EMME. Foram duas noites em que a IPJP testemunhou o que Deus pode fazer quando alguém se dispõe a ser usado pelo Senhor. O primeiro musical foi um desafio missionário, que nos leva a refletir sobre a importância da evangelização, e o segundo, uma explicação muito simples, objetiva e clara sobre o sacrifício de Jesus Cristo na cruz do Calvário. O Evangelho foi anunciado!

E temos hoje, a presença do Pr. Dênis, o qual registramos nossa gratidão por sua vida, ministério e família. Que o Senhor o abençoe!

Quero compartilhar alguns sentimentos que me vem diante disto tudo.

O primeiro deles, minha gratidão e admiração por pessoas que se dedicam ao serviço e ministério da igreja. Voluntários que hospedaram, cozinharam, transportaram, cuidaram de toda parte logística para que as coisas pudessem acontecer.  Não foram poucas as pessoas que dedicaram recursos, tempo e talentos ao serviço do Mestre. Muito obrigado, em meu nome e em nome da IPJP. Que o Senhor os recompense.

Em segundo lugar, me chama a atenção (de forma negativa), como algumas pessoas são indiferentes àquilo que acontece na sua igreja, e insistem em não se envolverem. Não participam, não convidam, não hospedam, não servem, não ajudam, não manifestam qualquer interesse.

É claro que sei que muitos tem impedimentos reais, dificuldades incontáveis, viagens. Claro! Não teriam condições de fazer coisa alguma, porém, não me refiro a estas pessoas. Refiro-me àquelas que, podendo, não participam e não ajudam. Minha preocupação aqui, não é com a igreja – as coisas aconteceram, Deus sempre levanta outras pessoas – mas com essas pessoas que perdem oportunidades especiais de terem grandes experiências com o Senhor Jesus.

Em terceiro lugar, manifestar o reconhecimento do cuidado de Deus para com esta igreja. Como Deus tem sido bondoso! O Senhor Jesus tem abençoado a IPJP a despeito dela. Como sempre, a graça do Senhor tem sido maravilhosa, e precisamos estar cônscios disso. Nosso prédio, nossos recursos, nossos membros, nossa liderança – nada disso teria valor algum e não serviria para absolutamente nada, se não fosse a graça do Senhor da Igreja. Louvemos sempre ao nosso Deus por isso.

Por isso tudo, não tem como não pegarmos emprestadas, as palavras do salmista:

“Não fosse o Senhor, que esteve ao nosso lado, a IPJP que o diga! […] Bendito seja o Senhor […], (pois) o nosso socorro está em o nome do Senhor, criador do céu e da terra.” (Sl 124.1,6,8)

Em Cristo,

Jônatas