O que é uma celebração? Se formos examinar os dicionários, encontraremos algo como: substantivo feminino. 1. realização solene (de contrato, acordo); formalização. 2. homenagem ou memoração de acontecimento, data etc.; comemoração, festejo. 3. acolhida festiva, exaltada, ruidosa; comemoração. 4. louvação pública; enaltecimento.

A celebração é sempre por algum motivo. O uso mais frequente deste termo se refere a algo passado, mas não se trata apenas de recordação. Traz consigo o desafio de produzir algo bom no futuro. Quero falar de duas celebrações na expectativa que isto nos leve a refletir e pensar: E daí?

Em 12 de agosto de 1859, desembarcou, na cidade do Rio de Janeiro, Ashbel Green Simonton, jovem pastor presbiteriano, recém formado pelo seminário de Princeton, nos Estados Unidos. Já transcorreram 158 anos.

Era o início de um trabalho abençoado, pois em pouco tempo realizou uma obra extraordinária. Morreu aos 34 anos de idade vitimado pela febre amarela, mas deixou consolidada uma obra de oito anos de trabalho, plantando igrejas, organizando o primeiro seminário e publicando um jornal.

A nossa igreja consolidou sua presença no Brasil, não apenas com um número expressivo de igrejas, mas também com um trabalho educacional e social significativo. Terminamos 2016 com 649.510 membros (adultos e crianças), 4.475 pastores, 12.622 presbíteros, 17.140 diáconos, 2.805 igrejas + 2.263 congregações.

Fazer parte da Igreja Presbiteriana do Brasil deve ser motivo de orgulho e satisfação, conscientes de que ainda há muito a fazer e aí, cada um de nós somos responsáveis pelo futuro da nossa igreja. Pense um pouco não sobre o que a igreja pode fazer por você, mas sobre o que você pode fazer pela sua igreja.

A segunda celebração é o DIA DOS PAIS. Queremos parabenizar cada um e dizer o quanto são importantes para suas famílias, para a igreja e para o país.

Ser pai é levar sobre os ombros muitas responsabilidades. A mais fácil de todas, é suprir as necessidades materiais (que tem a ver com dinheiro). As mais difíceis e importantes, dizem respeito à educação, ao caráter, à transmissão de uma fé viva no Senhor Jesus, pois cada pai é pastor de seu filho, a fim de leva-lo a viver nos caminhos do Senhor Jesus, é discipulá-lo a fim de que ele viva segundo a vontade de Deus.

Os pais educam ou ensinam como os filhos devem viver através de três ações: 1) pelo que FALAM aos filhos; 2) pelo que FAZEM, pois servem de modelo e exemplo; mas, principalmente, 3) por aquilo que SÃO, porque aí, servem de inspiração. A soma dessas ações geram o grande legado que você deixa para seus filhos.

Que Deus nos abençoe como igreja e nos abençoe como pais neste grande ministério dado pelo Senhor.

Com amor,

Rev. Jônatas