Porque nós somos santuário do Deus vivente. 2 Coríntios 6.16 Conhecer verdadeiramente Jesus Cristo como Salvador e Senhor é amá-lo e adorá-lo! Como povo de Deus, muito frequentemente ficamos tão confusos que poderíamos ser conhecidos como o pobre, trôpego e desajeitado povo de Deus, pois somos profundamente inclinados a pensar na adoração como algo que fazemos quando vamos à igreja no domingo. Nós a chamamos de casa de Deus. Nós a dedicamos a Ele. Então, permanecemos com a confusa ideia de que deve ser o único lugar onde podemos adorá-lo. Vamos à casa de Deus feita de tijolos, pedras e madeira. Estamos acostumados a ouvir o chamado à adoração: “O Senhor está no seu santo templo – ajoelhemo-nos diante dele!” Isto acontece no domingo e na igreja – excelente! Michael W. Goheen diz que A adoração é a vocação mais importante da igreja em parte porque dá ao povo de Deus o seu foco e a sua direção em todos os aspectos da vida; da adoração flui toda a vida da igreja, e na adoração toda a vida da igreja encontra a sua verdadeira finalidade. A adoração adequada, portanto, deve ser prioritária. Porém, na segunda-feira, ao executarmos nossas diferentes tarefas, temos a consciência da contínua presença de Deus? Um dia de adoração é seguido de seis de trabalho. É nesses dias de trabalho que a identidade do cristão se vê envolvida pela névoa do secularismo. É onde podemos cair facilmente na tentação de “departamentalizar” nossa vida. No domingo colocamos nosso “departamento espiritual” para funcionar, mas, e no restante da semana? Não podemos nos esquecer que o Senhor deseja permanecer em Seu santo templo, onde quer que estejamos; pois cada um de nós é um templo em que habita o Espírito Santo de Deus! É neste templo e através dele que o Senhor deve e deseja ser adorado 24 horas durante os 7 dias da semana. Precisamos lembrar que não há divisão entre realidade espiritual e material, como muitos supõem, com Deus responsável pelo controle da primeira e os políticos (ou nós) dos demais dias da semana. O domínio dEle é inclusivo e absoluto e a adoração deve ser 24 x 7. Se a adoração não nos transformar, não é adoração. Estar diante do Santo da eternidade é transformar-se. Se a adoração não nos impulsionar para maior obediência, não é adoração. Assim como a adoração começa com santa expectativa, ela termina em santa obediência. Richard Foster Quando pensamos em uma adoração 24 x 7, oramos assim: Senhor, quero que todos os compartimentos em meu templo estejam, não só para Tua eterna presença, mas também para ser um testemunho reluzente àqueles que eu encontrar durante a semana. Adoremos ao Senhor!

Rev. Jônatas